Nossa história

A União das Pensionistas de Policiais Militares do Estado de São Paulo (UPPMESP) nasceu em 07 de dezembro de 1979 – inicialmente sob o nome de União das Pensionistas da Caixa Beneficente da Polícia Militar. Graças à iniciativa de seis corajosas mulheres, fundava-se, ali, a primeira entidade brasileira em defesa das esposas e filhas de policiais militares que, depois de perderem o marido e/ou o pai, passaram a ter direito à pensão fornecida pelo Governo do Estado.

Reunidas no salão paroquial da Igreja Santa Rita de Cássia, que por alguns meses recebeu os encontros promovidos pela Entidade, as senhoras Hortência D’Asti de Lima, Nylva Lovely Carlesimo, Anacirema Bastos Rangel, Bonilha Leite de Morais, Aparecida da Silva e Hermínia Conradi Pereira da Costa foram as responsáveis por dar início a essa longa trajetória de luta e de conquistas. Também estiveram presentes na ocasião da fundação da entidade o Major PM Ezequiel Correa de Araújo, o Major PM Nilton Duarte da Silva e o Cônego Olavo (que gentilmente cedeu o espaço de sua paróquia para as reuniões).

 

Trajetória de Conquistas
Conta a história que, para fazer crescer o quadro associativo e assim promover o verdadeiro propósito da UPPMESP, as suas fundadoras nunca mediram esforços. Por anos, revezaram-se nas portas das agências do antigo banco Banespa em dia de pagamento de pensão; lá, punham-se a explicar às pensionistas quais eram as metas da entidade. Davam, assim, esperança a tantas e tantas mulheres que viviam em condição de total descaso perante os olhos do Governo do Estado.

Ainda assim, o começo foi marcado por grandes dificuldades. A primeira sede, uma sala simples nos arredores da Praça da República (na região central de São Paulo), foi 100% custeada pelas próprias fundadoras – as quais investiam parte de sua pensão para pagar o aluguel e as demais contas da Entidade, que, à época, não dispunha nem mesmo de linha telefônica.

Os inúmeros obstáculos não desanimaram as corajosas líderes da UPPMESP. Poucos anos depois da criação da Entidade, a mudança para uma casa na Rua João Teodoro sinalizava a expansão da Entidade, que agora contava com uma capacidade de atendimento mais ampla e também dispunha de uma melhor estrutura para acolher o número crescente de associadas. Ainda assim, suas fundadoras continuavam a arcar integralmente com as despesas referentes a passagens de ônibus, corridas de táxi, contas de água e de luz, e de tudo mais que fosse preciso para ajudar no atendimento às pensionistas.

Além das agências do Banespa, o trabalho de conscientização também passou a acontecer nas portas da Caixa Beneficente da Polícia Militar (CBPM) que, por muitos anos, manteve-se como a autarquia responsável por prestar o atendimento inicial às pensionistas, viúvas e órfãos de policiais militares. Aliás, foi por luta da UPPMESP que as pensionistas puderam modificar o regime da CBPM – o qual, por bastante tempo, condicionou o pagamento do benefício a essas mulheres à apresentação de testemunho por parte de outro PM.

Em 1989, ano de 10º aniversário, a União das Pensionistas finalmente pôde adquirir sua primeira sede própria – até hoje instalada à Rua Dr. Rodrigo de Barros, também no centro de São Paulo.

Quase quatro décadas de luta

Se até hoje os desafios enfrentados pela UPPMESP são inúmeros, as conquistas do passado servem de inspiração para que a Entidade siga em frente em seu propósito principal: acolher, orientar e cuidar das pensionistas, para que todas sejam tratadas com a devida dignidade e respeito.

Hoje, as cerca de cinco mil associadas dispõem de uma série de serviços e benefícios não só na cidade de São Paulo, mas, também, nas filiais de Taubaté e Praia Grande (clique aqui para saber mais) .

Em quase quatro décadas de vida, a União das Pensionistas ganhou o respeito de toda a Polícia Militar. Ao longo desse período, sua diretoria recebeu inúmeras homenagens do Comando-Geral e de tantas outras unidades e organizações vinculadas à Corporação pelo atendimento humanizado prestado às famílias enlutadas de policiais militares.

Ainda assim, a luta sempre continua. A UPPMESP continua e continuará a batalhar para garantir os direitos das pensionistas do Estado de São Paulo e, também,  para conquistar melhorias para a classe Policial Militar como um todo.